Livro traz conversas entre Fidel e Frei Betto

Fidel y la religionO livro Fidel y la religion é resultado de 23 horas de entrevistas do religioso dominicano brasileiro Frei Betto com o líder cubano, Fidel Castro.

Em determinado momento Fidel fala que não houve jamais uma condenação do capitalismo por parte da igreja católica. Em 1985, as palavras do comandante Fidel foram: “Não houve jamais uma condenação do capitalismo; quem sabe, no futuro, dentro de 100, 200 anos, quando o sistema capitalista já não exista, haja quem amargamente diga: durante séculos as igrejas dos capitalistas não condenaram o sistema capitalista, nem condenaram o sistema imperialista, o mesmo que dizemos hoje que durante séculos não condenaram a escravidão, o extermínio dos índios e o sistema colonialista”.

Mal sabia Fidel que já em 2013 o Espírito Santo guiaria os cardeias a elegerem um papa que condenaria o capitalismo e daria tantas lições de como o bem comum é mais importante que o privado. Por essas quase profecias e por tantas outras informações contidas nas suas 379 páginas, ler Fidel y la religion foi realmente esclarecedor e desmitificador. Além disso, contribuiu um pouco mais com meu objetivo de compreender melhor a sociedade cubana e o regime sob o qual se vive por lá.

Basicamente, o livro mostra a relação do líder da revolução cubana de 1959 – que derrubou a ditadura de Fulgêncio Batista – com a religião. Mas acaba por mostrar que, muitas vezes, as famílias seguem algumas crenças religiosas mesmo sem perceber o que estão fazendo ou sem saber o verdadeiro sentido delas. É o famoso “já estava assim quando eu cheguei” que faz com que a família batize seus filhos mesmo sem frequentar uma igreja ou ser fiel (de verdade, não só da boca para fora) a seu deus.

O livro descreve desde a relação da mãe e da avó de Fidel com a religião até a relação do líder revolucionário com as instituições religiosas após o sucesso da revolução.

No decorrer da conversa, alguns mitos vão sendo derrubados. Eu, pelo menos, descobri que tinha muita informação equivocada sobre a religião católica e também sobre como se deu a mudança de sistema de governo em Cuba. Diferente do que ocorreu em outros países, os líderes cubanos não optaram pela nacionalização integral e imediata de todos os recursos. A educação, por exemplo, permaneceu privada por algum tempo. A estratégia foi investir e melhorar muito a educação pública, fazendo-a chegar onde a privada não chegava e com qualidade inigualável. “Ao cabo de 26 anos de revolução, logramos colocar ao alcance das famílias mais humildes escolas melhores do que as que tinham as famílias privilegiadas. E isso quem dá é a sociedade, o Estado socialista o proporciona”, diz Fidel.

O comandante explica também que não é exclusivamente a favor da nacionalização de tudo em 100% e nem da gratuidade nestes termos. Para ele, até mesmo um governo socialista pode ter escolas pagas, com tanto que as escolas gratuitas não faltem nem sejam piores. Ele entende que não é necessário dedicar recursos aos setores da sociedade que podem pagar escola. Então, os governos podem mesclar as duas situações e as famílias escolherem se seus filhos vão estudar, por exemplo, na escola laica estatal ou na escola religiosa que a família escolher. O que aconteceu em Cuba foi que logo após a revolução as escolas privadas passaram a ser centros de atividade contrarrevolucionária, onde se desenvolveram ações violentas, com associação à sabotagem, bombas e outras atividades promovidas pelos Estados Unidos da América, o que fez com que o governo, afinal, optasse pela nacionalização.

Curioso também foi ver que, simultaneamente a decisões deste gênero que tinham que ser tomadas em todos os setores do governo, ainda havia que se enfrentar boatos irracionais, mas que causavam transtorno ao correrem pelas ruas, como os de que com a vitória revolucionária as famílias brancas e negras seriam obrigadas a se mesclar, que isso seria obrigado a se realizar de forma arbitrária, ou que se acabaria com o pátrio poder e os filhos dos cubanos seriam tomados pelo governo e enviados para a União Soviética, além de outras sandices do gênero, que eram inculcadas nas pessoas pela forte campanha dos menos de 10% da população que representavam a elite na época e que haviam perdido seus privilégios, apoiados, claro, pelos Estados Unidos da América, até então, praticamente donos da ilha de Cuba. Sobre isso, Frei Betto lembra que nos primeiros séculos do cristianismo também houve muitas dessas coisas, que se dizia, por exemplo, que os seguidores de Cristo comiam carne humana.

Também diferente do que faz pensar a propaganda enganosa e odiosa contra o socialismo, que diz que todas as pessoas recebem os mesmos valores independentes de sua contribuição à sociedade, Fidel explica que no socialismo se retribui a cada um de acordo com sua capacidade e com seu trabalho e no comunismo cada um recebe de acordo com suas necessidades. Ou seja, as diferentes funções sociais têm diferentes remunerações. No entanto, o que não existe é a grande desigualdade entre um funcionário no mais baixo nível hierárquico e outro no mais alto e nem a exploração do homem por um semelhante; todos trabalham pelo Estado, ou seja, pelo bem comum.

Ainda bastante alinhado com o atual papa Francisco, em 1985 Fidel disse a Frei Betto: “às vezes utilizo aquela frase de Cristo, que dizia: ‘É mais fácil para um camelo passar pelo buraco de uma agulha do que para um rico entrar no reino dos céus”. E Frei Betto complementou: “Não significa, do ponto de vista teológico, que Jesus fez uma discriminação com os ricos, significa que Jesus fez uma opção pelos pobres”. Exatamente o que está fazendo agora o papa e pedindo que os fiéis de sua igreja o façam.

No final do livro, Frei Betto afirma estar convencido que as palavras, opiniões, ideias e experiência de Fidel viriam a ser, sobretudo para os leitores cristãos, não somente um alento para sua esperança política, mas também uma força para sua vida cristã.

Como leitora não cristã, posso dizer que o livro abriu minha mente e diminuiu muito de meu preconceito contra a religião. Pude perceber que o problema, como sempre, está nos homens, que tudo distorcem com seu egoísmo desenfreado. Por isso, mesmo não tendo relação alguma com religião, me interessei por ler sobre o assunto. Afinal, ficar na ignorância, eu não aguento.

Quem se interessar pela leitura, pode encontrar o livro em português, a ótimos preços, em sebos virtuais como o Sebo do Messias e a Estante Virtual, que tem também a versão em espanhol.

Anúncios

3 Responses to “Livro traz conversas entre Fidel e Frei Betto”


  1. 2 Lucia Agapito 4 de fevereiro de 2014 às 21:35

    Li quase todos os livros do Frei Beto. Gosto muito. Depois de suas impressões fiquei com vontade ler esse também.


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s




placa Cabo da Boa Esperança

Digite seu endereço de e-mail para acompanhar esse blog e receber notificações de novos posts por e-mail.

Junte-se a 174 outros seguidores

janeiro 2014
S T Q Q S S D
« dez   fev »
 12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
2728293031  

Tudo que já aguentamos por aqui

Sobre o que aguentamos

Anúncios

%d blogueiros gostam disto: