Arquivo para 23 de dezembro de 2021

Confraria Colonial Hotel Boutique – um oásis pertinho de São Paulo

Da seleção de músicas nos ambientes à escolha dos produtos de higiene pessoal oferecidos no banheiro do quarto, tudo nos encantou. Uma semana das férias de outubro de 2021 foi passada no Confraria Colonial Hotel Boutique. Como eu já falei no post Consulte sempre um profissional, opiniões sobre hospedagens são sempre muito subjetivas e esse texto aqui não se propõe a ser diferente. Então, considere isso ao ler o texto e entenda que se trata de opinião pessoal, descrição de um momento que foi muito bom para mim e que deve servir apenas como referência.

De cara, o local nos agradou porque recebeu muito bem a dupla canina Lisa e Luke. Durante a estadia, foi possível perceber que a maior procura pelo hotel é aos finais de semana. Houve dias com eventos corporativos (que acontecem em ambientes separados e praticamente não víamos as pessoas envolvidas) e outros dias ficamos só nós no hotel. Dois humanos e dois cães com todo o mimo possível da equipe super bacana e atenciosa.

Ficamos na suíte Visconde, que tem um bom tamanho para família de quatro membros nos moldes da nossa. Próxima aos restaurantes e equipamentos de lazer, como sala de jogos, piscinas, sauna, foi uma localização estratégica, mesmo nos momentos de chuva. Cama confortável, poltrona, banheiro de bom tamanho (mas não tem banheira, que está disponível em outros tipos de quarto).

Como avisamos antes que passaríamos o aniversário de casamento lá, ainda fomos surpreendidos na chegada com um mimo especial em alusão à data.

As edificações do hotel são todas em estilo colonial – como o nome já indica – e ficam cercadas pela mata atlântica. São vários chalés com suítes de diversos tamanhos (alguns mais isolados), além de construções onde ficam os restaurantes, salão de jogos, sala de cinema, sauna, piscina aquecida, sala com aparelhos para atividades físicas, sala de massagem (que deve ser contratada em separado na recepção). Por termos ido em tempos de pandemia (COVID-19, para futuras referências), havia agendamento para uso da sauna e outros equipamentos. Todas as orientações para tal são passadas pelo pessoal da recepção na chegada. Meu espaço preferido foi a piscina aquecida interligada com a sauna.

Do outro lado do vidro, a piscina continua, dentro da sauna

Outra piscina maravilhosa e também aquecida, fica perto dessa e é mais funda e larga, permitindo dar umas braçadas…

Também tem uma piscina aberta, com bar molhado, que usamos pouco porque o clima não estava muito favorável, e uma Jacuzzi ao ar livre, que só fomos uma vez pelo mesmo motivo. Tem ainda um lago, onde se pode praticar pesca esportiva. Para atividades ao ar livre fora da água tem quadras de tênis e trilhas. As trilhas não são radicais, mas, para uma família de apartamento como a nossa, foram grandes aventuras! Frequentamos todos os dias e Lisa e Luke adoraram a vida “selvagem”.

Para refeições, ou apenas para descansar um pouco e curtir a paisagem, tem um deque fantástico entre as árvores, com iluminação noturna e uma linda decoração.

Por falar em refeições… estão incluídas na diária três refeições, café da manhã, almoço e jantar. O destaque do café da manhã fica para o pão de queijo, delicioso. É um café bem completo, com opções de pães, omeletes, frutas, sucos, iogurtes, bebidas quentes e frias. No almoço, se escolhe os pratos e eles vêm servidos em panelinhas de barro. Cara de comida de fazenda. No jantar, pratos de cozinha internacional, em serviço à la carte. Sempre tem opções de sobremesa, incluindo frutas. O cardápio é assinado pelo chefe Paulo Gomes, que não decepcionou em nenhuma refeição.

A única observação negativa no quesito alimentação é por conta de não ter nenhuma bebida incluída no almoço ou jantar. Nem mesmo água ou bebidas não alcoólicas. Pelo valor da diária, considero mesquinho não incluir. Mas, a regra é informada antes, não foi uma surpresa. Com o estilo colonial, caberia até ter um filtro de barro nos quartos, para oferecer água filtrada, ao menos.

Enfim, foram tantos os cuidados de todos da equipe com a gente, foi tão boa a recepção ao Luke e à Lisa, passamos dias tão agradáveis, que não consigo pensar em algo que me fizesse não querer voltar. Mas, como gostam de dizer os que negam a aplicação de métodos e análise de dados “essa é a minha opinião”. Nada mais. Se fosse para fazer uma análise profissional, eu usaria parâmetros que talvez indicassem um resultado menos favorável. Mas, o único critério que estou usando aqui é o quanto eu me senti bem naquele momento, o que tem bastante a ver com a minha conjuntura e não só com o local.

Como chegar:

O Confraria Colonial fica em Mairinque, no estado de São Paulo, a cerca de uma hora e meia da capital (dependendo de onde e a que horas se sai da capital, claro), pela Rodovia Castelo Branco. Dá para seguir pelo GPS até entrar na estrada de terra. Tem que sair da Rodovia Castelo Brando no Viaduto Edward C. Leme, em Mairinque, (saída de BR-374/SP-280), então, siga as placas para o bairro Dona Catarina e acompanhe as indicações do GPS. Quando começarem as placas do próprio hotel, siga por elas. Isso porque o GPS não indica o melhor caminho na estrada de terra. E, mesmo o caminho indicado pelas placas não é tão bom assim… evite ir com chuva ou à noite, pois não tem iluminação na estrada. O trecho ruim é curto, cerca de 12 minutos. A parte de terra mesmo é só um quilômetro, mas, por outros 3 quilômetros tem tanto buraco no asfalto que nem parece que tem asfalto. Mas, acredite, vale muito passar por esse breve perrengue.

O simpático dispensador de saquinhos plásticos

Consulte sempre um profissional

Há alguns anos, a Ordem dos Advogados do Brasil tinha uma campanha cujo slogan era “Consulte sempre um advogado”. Em tempos de redes sociais que permitem que todo mundo se sinta habilitado a palpitar sobre tudo, eu ampliaria a frase para “consulte sempre um profissional”. Qualquer profissional. Para tudo que precisar, sempre é melhor um profissional.

Recentemente tirei férias e para escolher o destino e hotel procurei referências na internet. Na minha ilusão, eu encontraria informações em sites que estariam substituindo os antigos guias de viagem em papel. Mas isso é praticamente impossível. Os poucos sites de viagem que existem apresentam textos claramente elaborados por assessorias de comunicação dos hotéis e não por jornalistas que foram aos locais e avaliaram os estabelecimentos com olhar técnico, observando os itens a partir de um check-list que garanta comparação justa entre os diversos estabelecimentos do mesmo tipo.

O que mais se tem utilizado, aparentemente, são os sites de agendamento de viagens, onde há descrição oferecida pelo hotel e avaliações de hóspedes. Mas, o problema da avaliação do hóspede é que ela não é técnica e mistura emoções pessoais. Dependendo do momento da sua vida, o mesmo lugar pode ser maravilhoso ou um desastre completo.

O hotel que acabamos escolhendo para passar nossa semana de férias recebeu notas mínimas e máximas de hóspedes que tinham ficado no mesmo período no estabelecimento. Isso tem a ver tanto com o momento individual de cada hóspede quanto com as expectativas e experiências anteriores de cada um. Quando não se tem um olhar técnico, a avaliação fica totalmente subjetiva. No mesmo período de hospedagem diferentes pessoas fizeram comentários indicando que o hotel era de péssimo a maravilhoso.

Sem contar o tanto de observações absolutamente vazias como “comida ok”, “café da manhã fraco”, “falta processo, falta método”, “os souplats são feios e de baixa qualidade”… Mas, gente! Como escolher um hotel com base nisso? Tem um comentário que mostra bem como tudo é questão de referência: “comida que eu mesma faço em casa”. No meu caso, qualquer porcaria seria melhor, eu não sei cozinhar… Ou seja, aquilo que antes era dado como opinião para os amigos na mesa do bar extrapolou para uma informação de massa.

Sou velha – já há quase uma década nos enta -, sou do tempo que ouvinte ouvia, senão seria chamado falante, e do tempo que se escolhia pra onde viajar com base em avaliação profissional e não na experiência dos outros. Outros que você nem conhece… não é a mesma coisa que um amigo indicar um lugar pra ir, porque é uma pessoa que você conhece, sabe os parâmetros de exigência e tal… é um ser aleatório, que pode ter inúmeras razões pessoais para detonar ou super avaliar bem um estabelecimento.

Mas, como isso não se encontra mais – pelo menos não com a facilidade de antes – deixo aqui a minha experiência pessoal: super recomendo o Confraria Colonial Hotel Boutique. Passamos uma semana maravilhosa lá, com um atendimento de primeira, diversão para os cachorros e paz absoluta. Pode ser influência do bom momento pessoal? Pode. De toda forma, vou ousar escrever um pouco sobre como foi nossa estadia no hotel, pra ajudar quem procura opinião a respeito… Vejam aqui.


placa Cabo da Boa Esperança

Digite seu endereço de e-mail para acompanhar esse blog e receber notificações de novos posts por e-mail.

Junte-se a 720 outros assinantes
dezembro 2021
S T Q Q S S D
 12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
2728293031  

Tudo que já aguentamos por aqui

Sobre o que aguentamos