Archive for the 'Politicamente correto' Category



Livro traz conversas entre Fidel e Frei Betto

Fidel y la religionO livro Fidel y la religion é resultado de 23 horas de entrevistas do religioso dominicano brasileiro Frei Betto com o líder cubano, Fidel Castro.

Em determinado momento Fidel fala que não houve jamais uma condenação do capitalismo por parte da igreja católica. Em 1985, as palavras do comandante Fidel foram: “Não houve jamais uma condenação do capitalismo; quem sabe, no futuro, dentro de 100, 200 anos, quando o sistema capitalista já não exista, haja quem amargamente diga: durante séculos as igrejas dos capitalistas não condenaram o sistema capitalista, nem condenaram o sistema imperialista, o mesmo que dizemos hoje que durante séculos não condenaram a escravidão, o extermínio dos índios e o sistema colonialista”.

Mal sabia Fidel que já em 2013 o Espírito Santo guiaria os cardeias a elegerem um papa que condenaria o capitalismo e daria tantas lições de como o bem comum é mais importante que o privado. Por essas quase profecias e por tantas outras informações contidas nas suas 379 páginas, ler Fidel y la religion foi realmente esclarecedor e desmitificador. Além disso, contribuiu um pouco mais com meu objetivo de compreender melhor a sociedade cubana e o regime sob o qual se vive por lá.

Basicamente, o livro mostra a relação do líder da revolução cubana de 1959 – que derrubou a ditadura de Fulgêncio Batista – com a religião. Mas acaba por mostrar que, muitas vezes, as famílias seguem algumas crenças religiosas mesmo sem perceber o que estão fazendo ou sem saber o verdadeiro sentido delas. É o famoso “já estava assim quando eu cheguei” que faz com que a família batize seus filhos mesmo sem frequentar uma igreja ou ser fiel (de verdade, não só da boca para fora) a seu deus.

O livro descreve desde a relação da mãe e da avó de Fidel com a religião até a relação do líder revolucionário com as instituições religiosas após o sucesso da revolução.

No decorrer da conversa, alguns mitos vão sendo derrubados. Eu, pelo menos, descobri que tinha muita informação equivocada sobre a religião católica e também sobre como se deu a mudança de sistema de governo em Cuba. Diferente do que ocorreu em outros países, os líderes cubanos não optaram pela nacionalização integral e imediata de todos os recursos. A educação, por exemplo, permaneceu privada por algum tempo. A estratégia foi investir e melhorar muito a educação pública, fazendo-a chegar onde a privada não chegava e com qualidade inigualável. “Ao cabo de 26 anos de revolução, logramos colocar ao alcance das famílias mais humildes escolas melhores do que as que tinham as famílias privilegiadas. E isso quem dá é a sociedade, o Estado socialista o proporciona”, diz Fidel.

O comandante explica também que não é exclusivamente a favor da nacionalização de tudo em 100% e nem da gratuidade nestes termos. Para ele, até mesmo um governo socialista pode ter escolas pagas, com tanto que as escolas gratuitas não faltem nem sejam piores. Ele entende que não é necessário dedicar recursos aos setores da sociedade que podem pagar escola. Então, os governos podem mesclar as duas situações e as famílias escolherem se seus filhos vão estudar, por exemplo, na escola laica estatal ou na escola religiosa que a família escolher. O que aconteceu em Cuba foi que logo após a revolução as escolas privadas passaram a ser centros de atividade contrarrevolucionária, onde se desenvolveram ações violentas, com associação à sabotagem, bombas e outras atividades promovidas pelos Estados Unidos da América, o que fez com que o governo, afinal, optasse pela nacionalização.

Curioso também foi ver que, simultaneamente a decisões deste gênero que tinham que ser tomadas em todos os setores do governo, ainda havia que se enfrentar boatos irracionais, mas que causavam transtorno ao correrem pelas ruas, como os de que com a vitória revolucionária as famílias brancas e negras seriam obrigadas a se mesclar, que isso seria obrigado a se realizar de forma arbitrária, ou que se acabaria com o pátrio poder e os filhos dos cubanos seriam tomados pelo governo e enviados para a União Soviética, além de outras sandices do gênero, que eram inculcadas nas pessoas pela forte campanha dos menos de 10% da população que representavam a elite na época e que haviam perdido seus privilégios, apoiados, claro, pelos Estados Unidos da América, até então, praticamente donos da ilha de Cuba. Sobre isso, Frei Betto lembra que nos primeiros séculos do cristianismo também houve muitas dessas coisas, que se dizia, por exemplo, que os seguidores de Cristo comiam carne humana.

Também diferente do que faz pensar a propaganda enganosa e odiosa contra o socialismo, que diz que todas as pessoas recebem os mesmos valores independentes de sua contribuição à sociedade, Fidel explica que no socialismo se retribui a cada um de acordo com sua capacidade e com seu trabalho e no comunismo cada um recebe de acordo com suas necessidades. Ou seja, as diferentes funções sociais têm diferentes remunerações. No entanto, o que não existe é a grande desigualdade entre um funcionário no mais baixo nível hierárquico e outro no mais alto e nem a exploração do homem por um semelhante; todos trabalham pelo Estado, ou seja, pelo bem comum.

Ainda bastante alinhado com o atual papa Francisco, em 1985 Fidel disse a Frei Betto: “às vezes utilizo aquela frase de Cristo, que dizia: ‘É mais fácil para um camelo passar pelo buraco de uma agulha do que para um rico entrar no reino dos céus”. E Frei Betto complementou: “Não significa, do ponto de vista teológico, que Jesus fez uma discriminação com os ricos, significa que Jesus fez uma opção pelos pobres”. Exatamente o que está fazendo agora o papa e pedindo que os fiéis de sua igreja o façam.

No final do livro, Frei Betto afirma estar convencido que as palavras, opiniões, ideias e experiência de Fidel viriam a ser, sobretudo para os leitores cristãos, não somente um alento para sua esperança política, mas também uma força para sua vida cristã.

Como leitora não cristã, posso dizer que o livro abriu minha mente e diminuiu muito de meu preconceito contra a religião. Pude perceber que o problema, como sempre, está nos homens, que tudo distorcem com seu egoísmo desenfreado. Por isso, mesmo não tendo relação alguma com religião, me interessei por ler sobre o assunto. Afinal, ficar na ignorância, eu não aguento.

Quem se interessar pela leitura, pode encontrar o livro em português, a ótimos preços, em sebos virtuais como o Sebo do Messias e a Estante Virtual, que tem também a versão em espanhol.

Voo dos hipócritas

Voltamos de Cuba para casa em um voo com conexão no Panamá. Assim que, no segundo trecho da viagem, da Cidade do Panamá a Brasília, o voo reunia pessoas de diversas origens além de Cuba, majoritariamente dos Estados Unidos da América, mais precisamente de Miami.

Foi curioso ver todos aqueles cristãos abarrotados de malas e sacolas, fruto de seu consumismo desenfreado, já condenado pelo atual líder da igreja católica, sobre o que falamos no texto anterior. Quero crer que tinham marcado a viagem antes do Papa alertar que era coisa má e já não vão repetir tal ato.

Foi curioso também observar que nenhum dos passageiros se dirigiu para a fila de bens a declarar quando chegamos ao Brasil, deixando claro de que só traziam em suas malas e sacolas o que era permitido, como seria legítimo aos bons cristãos, ainda que consumidores.

Mas, interessante mesmo em tudo isso é a certeza de que aqueles homens e mulheres de bem que voaram no mesmo voo que eu, que se deslocaram do Brasil aos Estados Unidos da América para trazer na bagagem apenas o que é permitido, na próxima passeata contra a corrupção e tudo isso que está aí vão vestir seu modelito mais bonito e sair às ruas de peito aberto, pedindo honestidade a seus semelhantes.

Hipocrisia, taí uma coisa que eu não aguento.

Manifestar contra a Copa agora?

Tenho um imenso sentido de vergonha alheia. Especialmente quando vejo pessoas, a princípio com boas intenções, reproduzirem baboseiras que recebem por e-mail ou assistem na midiona. Há algumas semanas eu vinha pensando em um texto sobre o rumo das manifestações no Brasil, mas o que me motivou mesmo foi o vídeo de uma brasileira que mora no exterior e alguns comentários que ouvi sobre ele. Por isso, os comentários que se seguem são, basicamente, sobre as manifestações contra a Copa 2014 no Brasil.

Não sei se Carla Dauden pode ser enquadrada na categoria pessoa com boa intenção. Ela me parece mais o tipo de brasileiro que foi para o exterior “fazer a América” e sobre o que acontece aqui só ouviu o galo cantar, mas não sabe onde. Em minhas passagens por outros países, a maioria dos brasileiros residentes que conheci fazia parte da burguesia cansada, que só sabe reproduzir estereótipos e acreditar no que a midiona brasileira joga na internet ou por seus canais de TV internacionais.

Carla fez isso. Em um vídeo recheado de estratégias de manipulação (como fazia Joseph Goebbels, ministro da Propaganda de Hitler), reproduziu informações não confirmadas e realizou afirmações categóricas sem nenhuma comprovação ou raciocínio lógico. Considerando que a moça estuda cinema, não posso creditar isso a mera coincidência. Foi aplicação pura de técnica de manipulação do espectador. No vídeo, ela supostamente explica porque não vem à Copa do Mundo no Brasil. Digo supostamente, porque, considerando que os argumentos são quase todos falhos, não explica nada. No entanto, ainda que baseado em mentiras e estereótipos, já teve mais de 3 milhões e 300 mil acessos no You Tube. E, claro, estranhamente, a midiona brasileira, que não costuma repercutir (para usar um termo que jornalista adora) o que acontece na internet, desta vez repercutiu. Ah, repercutem também a blogueira cubana… mas isso é assunto para outro post.

O problema é que nem a população que vive no Brasil consegue ter a noção da dimensão deste país. Para mim, uma cidadã comum, R$ 1 bilhão é uma montanha infinita de dinheiro. R$ 7 bilhões, que é o valor investido nos estádios para a Copa 2014, fariam todas as minhas próximas gerações (se é que houvesse) viverem tranquilamente. Então, é fácil achar que é muito dinheiro e que resolveria todos os problemas do país, como insiste Carla Dauden em seu vídeo com muito mimimi, mas sem um mínimo de raciocínio.

O imenso valor, no entanto, não é suficiente nem para garantir um mês de saúde pública em um país de dimensões continentais, com quase 200 milhões de habitantes. Ressalte-se ainda que esse raciocínio de troca de setor para investir o dinheiro só seria válido se considerássemos que os R$ 7 bilhões tivessem, de fato, sido “gastos” pelo governo.

Diferente do que foi difundido nos protestos recentes, por pessoas mal informadas, o dinheiro foi emprestado do governo federal para os estados e municípios e retornará aos cofres federais. Não vou nem entrar nos aspectos positivos do uso deste dinheiro, como, por exemplo, os empregos gerados ao longo do período da construção dos estádios, porque são empregos para uma camada da sociedade que não interessa a muitos que saíram nas passeatas reclamando do custo dos estádios.

Vejo nessas passeatas dois tipos de pessoas: desinformados, que se tivessem se interessado em buscar informação além da midiona não estariam ali, e os cansados, como o pessoal de Higienópolis, que não quer metrô por perto para não encontrar com gente diferenciada quando sai de casa para levar a Luluzinha – da raça XPTO importada e criada em laboratório – para passear.

De acordo com excelente post do Curso Básico de Jornalismo Manipulativo, se pegarmos o total dos R$ 26 bilhões gastos com a Copa das Confederações e a Copa do Mundo, fingindo que os R$ 19 bilhões investidos em aeroportos, infraestrutura e mobilidade urbana não são úteis ao país, quanto dá? “Menos que dois meses e meio de SUS”. Dá para entender como é inócua a reivindicação de se investir o dinheiro da Copa em outra área? Isso se, como já foi dito, o dinheiro tivesse de fato sido gasto. Mas não é um dinheiro que saiu dos cofres federais (conforme já comentei acima, conforme a presidente Dilma explicou em pronunciamento em rede de TV e conforme consta no site das contas dos gastos da Copa). Portanto, não deixou de ser investido em saúde.

Além disso, vamos combinar que o momento certo das manifestações teria sido antes do Brasil fechar assinatura do evento com a Fifa. Ou vão dizer que foi tudo feito na surdina, na calada da noite? Não foi divulgado que o Brasil se candidatou e, depois, que ganhou? Por que, então, quando isso aconteceu os manifestantes de hoje não acamparam na frente do Palácio do Planalto, não se jogaram na frente do carro do Presidente, não foram para as ruas, afinal? Estavam em uma excursão por Marte, onde não pega a Rede Globo, que tanto lhes informa?

Talvez não tenha acontecido naquele momento porque os partidos de oposição não estivessem tão desesperados com a possibilidade de mais um mandato de um governo progressista. Como agora já perceberam que isso tem grandes chances de acontecer, manipulam as pessoas e as levam para as ruas. E elas chegam lá bradando contra os partidos. Ingenuidade ou ignorância?

Então, estas mesmas pessoas, vão para as ruas do Brasil, de Nova Iorque ou de Maputo, e, em casa, fazem vídeos irresponsáveis, pedindo algo que agora significa uma quebra de contrato com multa de R$ 5 bilhões ao governo federal. Ou eles acham que quebrar contrato sai de graça? Ou seja, nisso pode gastar bilhões. Sei que pedir coerência ao ser humano é demais… mas continuo sempre me surpreendendo com a falta dela.

Ah, mas tem a manutenção dos estádios. O alto custo de “elefantes brancos”. Vamos contextualizar de novo, para quem não percebeu ainda: o Brasil tem quase 200 milhões de habitantes e temos campeonatos de futebol profissional, regionais ou nacionais, praticamente o ano todo.

Em matéria da Exame.com (vale lembrar que é do grupo Abril, portanto, se não escreveu contra, é porque não teve jeito mesmo), o repórter Eduardo Tavares informa que o Tribunal de Contas da União (TCU) elaborou um relatório analisando os riscos econômicos de cada um dos estádios da Copa 2014.

Em quatro deles o risco é considerado praticamente inexistente: São Paulo, Rio de Janeiro, Porto Alegre e Belo Horizonte são cidades com “tradição no futebol, com grandes equipes nas principais categorias, o que é sinônimo de multidões nos estádios. Assim, a receita obtida com os jogos é suficiente para cobrir os investimentos que serão feitos nas reformas das arenas”, diz a matéria, baseada no relatório.

Curitiba, Salvador, Fortaleza e Recife apresentam riscos moderados, porque são cidades que mantêm ao longo dos anos uma boa média de público pagante nos jogos, capaz de fazer frente às despesas com as obras e a manutenção dos novos estádios. Ou seja, é uma questão de administrar bem.

Manaus, Natal, Cuiabá e Brasília são cidades que foram consideradas como situação delicada no mapeamento do TCU. Aí sim, neste grupo, que representa um terço do total, o risco de os estádios se transformarem em elefantes brancos é grande. No entanto, o relatório indica que, pelo menos em dois deles, Brasília e Natal, os administradores devem tentar garantir a sustentabilidade financeira da obra depois da Copa com novas formas de usar o estádio, como shows e outros eventos. Ou seja, é só buscar algumas alternativas, como eventos culturais nos estádios a preços acessíveis. Sim, significa oferecer cultura ao povão. Pode até não parecer interessante para quem pensa como Carla Dauden, que samba, pagode e alegria do povo é sinônimo de drogas.

Vendo o relatório do TCU, mais uma vez o argumento “todos” foi reduzido à inocuidade. Neste caso, dois estádios. Será que não dá para pensar positivo? Deixar de torcer sempre para dar errado? Já que se perdeu a hora de fazer a manifestação e evitar que a Copa fosse no Brasil – porque estavam naquela excursão em Marte, lembra? -, por que não pensam em alternativas de cobrança da boa administração do que está aí? Os estádios foram construídos. Não vai ser manifestação de rua que vai fazê-los desmoronar ou transformá-los em dinheiro, hospital, escola, mimimi. A Copa está marcada. A não ser que se entenda que R$ 5 bilhões é uma multa bacana de pagar e decidirmos mesmo jogar fora essa grana (mantendo-se na linha da incoerência), não há como evitar que aconteça.

O engraçado é que as manifestações contra a Copa se misturaram a atos que começaram em um movimento de esquerda, pela universalização e estatização do transporte, e descambaram para demandas sectárias, em favor da desigualdade social.

Assim, mesmo sendo uma adepta dos atos de rua e tendo já participado de inúmeros ao longo da vida, depois de ter visto, no primeiro dia das recentes manifestações aqui em Brasília, um cartaz em favor da humanização no tratamento à saúde mental (o que me faria sair de casa para manifestar) ao lado de outro pedindo a diminuição da maioridade penal, decidi esperar a turma cansada sair das ruas, para não me misturar a ela.

Definitivamente, não vou bater palma para macaco dançar. Isso eu não aguento.

Obs.: agradeço ao CBJM pela eficiente e elucidadora pesquisa, que contribuiu para o embasamento deste post.

10 anos do Bolsa Família: é muito?

Há uma semana, no dia 5 de maio, O Globo publicou a matéria: Bolsa Família completa 10 anos e já chega à segunda geração. O tom dado pelo “já” no título é de que o programa está atendendo, em alguns casos, à segunda geração de uma mesma família e a necessidade do programa continua. Como se isso fosse uma coisa feia, como se em uma década se devesse ter resolvido cinco séculos de geração de desigualdade social no país.

O Globo aponta especialistas que criticam o Bolsa Família por ser, na visão deles, pouco efetivo na emancipação de seus beneficiados — que teriam dificuldade para se inserir no mercado de trabalho e deixar de depender do programa. Mas traz também a opinião de outros especialistas (sempre sem nomes), que ressaltam o papel importante do programa para aliviar a miséria em famílias extremamente vulneráveis, justamente as menos capazes de conseguir emprego formal, garantindo que ao menos as crianças tenham mínimo acesso a serviços de saúde e educação.

No resumo, a matéria é vazia, como quase toda matéria de jornalão e não contribui para nada. Mas, apesar do tom típico da elite do sudeste do Brasil, de preconceito contra as famílias do Norte, Nordeste e Centro-Oeste do país e do implícito “nós carregamos essas pessoas nas costas”, a própria reportagem afirma: “Estudos indicam que ele [o Bolsa Família] contribuiu para a redução da desigualdade e alívio da extrema pobreza na década passada. Entre 16% e 21% da queda da desigualdade são atribuídos ao Bolsa Família”.

Na verdade, isso é a única coisa que importa ser dita com relação a programas como o Bolsa Família. Qual a contribuição para a efetivação da equidade social? Não se pode querer que a solução para um problema cultivado por 500 anos se dê no atendimento a uma geração. Graças à história de opressão e exploração do homem pelo homem no Brasil, o Bolsa Família teve que chegar à segunda geração e, provavelmente, chegará à terceira e à quarta. Mas se, em 50 anos, a redução da desigualdade tiver sido significativa, teremos um número inexpressivo de pessoas vivendo na miséria e poderemos dizer que o programa atenderá apenas a um público residual.

Quem não conhece o programa a fundo, não sabe que há uma série de condicionalidades para se manter inscrito. Não sabe também que todos os meses muitas pessoas são retiradas do programa por terem sido inscritas indevidamente ou por deixarem de atender às condicionalidades.

Em outro texto, do jornalista Elio Gaspari, na Folha de S. Paulo deste domingo, 12 de maio, intitulado Brava gente, a brasileira, a informação sobre os 10 anos do Bolsa Família é complementada com o dado de que, no período, 1,69 milhão de famílias dispensaram espontaneamente o benefício. Ou seja, de cada 100 famílias beneficiadas, 12 foram até a prefeitura e afirmaram não precisar mais. Informação que arrepia a elite, incapaz de se imaginar fazendo uma coisa dessas: deixar espontaneamente de receber um benefício.

O dado nos faz perceber que as pessoas que recebem o Bolsa Família não vêem nele sua muleta de vida, como muito se preconiza por aí. Elas, em sua maioria, conseguem perceber no benefício um apoio para, justamente, não precisar mais dele.

Vale ressaltar também que, em boa parte desta década de existência do Bolsa Família, foram descobertas milhares de pessoas miseráveis que sequer existiam em termos estatísticos no Brasil. Pode parecer bizarro, mas é fato: o número de pessoas miseráveis aumentou graças à busca ativa que faz identificação dos cidadãos que não possuem documentação e, portanto, não são considerados nas pesquisas de perfil populacional.

Encerrar esta missão é um dos principais focos do governo federal hoje. No site do Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome (MDS), encontramos a informação sobre o Plano Brasil sem Miséria: Um dos grandes desafios do Brasil Sem Miséria é alcançar aqueles que não acessam os serviços públicos e vivem fora de qualquer rede de proteção social.

Quando o Brasil tiver concluído a busca ativa de miseráveis, vamos ter a dimensão exata de nossas necessidades. E então, poderemos avaliar de quantas décadas vamos precisar para programas como o Bolsa Família fazerem um atendimento apenas residual, de um número insignificante de cidadãos que caem em situação de vulnerabilidade por questões pontuais.

Enquanto isso, temos que ter em mente a dimensão continental de nosso país, o número de habitantes (quase 200 milhões) e nossa história de séculos de exploração – onde uma parcela da população vem se aproveitando da produtividade e capacidade laboral dos outros.

Infelizmente, boa parte das pessoas não consegue ter uma visão tão ampla de seu próprio país. E esse tipo de gente, eu não aguento.

Classe média

Taí uma coisa que eu não aguento. Sem restrições. Essa classe média brasileira que, em geral, são ricos com uma certa vergonha cristã de se assumirem como tal. Essa gente cansada, que clama por justiça, mas incapaz de tirar um milésimo do que tem em seus cofres para ver feita a justiça social. Essa gente que estudou em escola de rico, ops, de classe média, e que nas aulas de história não viu a opressão secular das camadas menos favorecidas economicamente, não entendeu a exploração do trabalhador, não aprendeu sobre exclusão social.

E tudo isso me faz lembrar a música Classe Média, de Max Gonzaga, apresentada em um festival de 2005, mas que será atual enquanto houver a classe média sofrida:

Vale também ver a fantástica animação feita para a música no blog Tecedora.

Os apolíticos

Há muito tempo eu penso em escrever um texto sobre o assunto. Talvez um dia eu o faça, depois de algumas horas de meditação, para não ser muito raivosa. Mas, no momento, passo minha mensagem por meio do Calvin, que maravilhosamente resumiu o assunto em quatro quadrinhos e muita ironia.

Os Dez Anos de Calvin e Haroldo - Volume 2 067

O mundo está repleto de pessoas assim e eu… não aguento!


placa Cabo da Boa Esperança

Digite seu endereço de e-mail para acompanhar esse blog e receber notificações de novos posts por e-mail.

Junte-se a 175 outros seguidores

abril 2019
S T Q Q S S D
« nov    
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
2930  

Tudo que já aguentamos por aqui

Sobre o que aguentamos