Posts Tagged 'auto-estima do brasileiro'

Só no Brasil

Se tem uma coisa que eu não aguento mesmo são as frases que começam com “Só no Brasil…” O que eu vejo nelas é que quem as profere ou nunca pisou além das nossas fronteiras ou, quando pisou, teve uma postura tão subalterna – durante séculos incutida em nossas mentes para que acreditemos que somos menos do que realmente somos – que não viu os problemas dos outros.

Acho que as pessoas ficam cegas pelo deslumbramento de viajar quando saem do Brasil. Afinal, não é possível que só eu veja cocô de cachorro (um problema sem dúvida causado pelos seres humanos que lá habitam) a cada 20 metros nas ruas de Paris. Também não é possível que uma pessoa mais atenta passe uma viagem toda pela Europa sem ver um europeu furando fila. Fiquei menos de 10 dias por lá recentemente e vi por duas vezes europeus (pela forma de falar deveriam ser franceses ou belgas) furando fila descaradamente, do jeitinho que os ignorantes dizem que só acontece no Brasil. Ignorante aqui não leva nenhum caráter de ofença. É apenas a constatação de que as pessoas ignoram algo, não tem conhecimento de como funciona em outros lugares, por isso, insistem no “Só no Brasil…”

Ah, também vi nativos europeus jogando papel no chão. Tudo bem que em alguns locais da Europa há a desculpa de que não existem cestos de lixo nas ruas, especialmente em Londres. Mas, para mim, nada justifica jogar lixo na rua. Também vi o metrô vandalizado, assim como esculturas recém implantadas na cidade de Paris, já com pichação. E em um café em Londres, o cartaz na parede avisa: não deixe suas bolsas e demais pertences nas mesas enquanto escolhe sua comida no balcão, porque não nos responsabilizamos por possíveis furtos. Igualzinho acontece nos “quilos” no Brasil. Igualzinho acontece onde há seres humanos. A diferença é que aqui as pessoas comentam: “Só no Brasil precisa de um aviso desses… onde tem brasileiro tem dessas coisas…”

Nem vou entrar aqui no detalhe da falta de acessibilidade, porque isso merece um texto inteiro dedicado. Escada rolante nos metrôs de Paris é raridade. Elevador então, nem sei se tem. Não lembro de ter visto. Cadeiras de rodas são feitas para ficar dentro das casas por lá. Até porque, a maioria dos edifícios, de poucos andares, também não conta com elevadores. Ou seja, quando reclamamos da nossa acessibilidade aqui, jamais podemos dizer que deveria ser como na Europa. Se fizermos isso, vamos querer regredir.

Não acho que por haver coisas ruins em todos os lugares a gente deva se conformar com o que tem. Acho sim que devemos cobrar melhores condições para os cidadãos, exigir viver em cidades limpas, com urbanismo planejado e muita organização. Só que o tom da cobrança tem que ser outro. Não pode ser “quero que mude, para ficar igual ali”, porque ali, em geral, é igual aqui. Devemos exigir: quero que mude, porque sou cidadão e mereço um espaço melhor, bem cuidado, limpo, organizado, como tem que ser.

Mas, acima de tudo, penso que o ser humano tem que se conformar que, muitas vezes, ele é o problema. Não é o brasileiro que faz tudo errado e desrespeita o próximo. Isso é uma prática da espécie. Ou ela se emenda, ou o planeta, em qualquer país, vai ser cada vez menos suportável.

Tão insuportável quanto foi o fim do voo da volta. O avião aterrissou e, passados alguns minutos, a porta não abria. Então, o piloto informou que teria que locomover a aeronave um pouco, porque tinha sido mal posicionada e não estava se ligando à manga do aeroporto (manga é como se referem os portugueses da TAP ao corredor que liga a aeronave à sala de desembarque). Menos de 30 segundos e o camarada de trás: “Só no Brasil”. ?!?!?! A vontade de soltar um palavrão bateu na boca e voltou.

Mais um minuto e o mesmo gênio: “Quero ver na Copa”. ?!?!?!?! Então, o ignorante (de novo sem ofença) ao lado dele comenta: “Na Copa vai ser uma vergonha. Imagine que aqui ninguém fala inglês. Como os turistas vão se comunicar? Na Europa não tem um lugar que você chegue e não consiga se comunicar em inglês. Você chega falando em inglês e todo mundo de qualquer país responde”. Esse foi o momento que eu constatei que, para ele, Paris não fica em um país da Europa. Afinal, vai lá o gênio do avião tentar chegar falando inglês com um parisiense para ver como vai ser bem recebido. No momento seguinte, o mesmo jovem deslumbrado começou a destilar seu preconceito: “Imagine um turista chegando em uma cidade do Nordeste e tentando falar inglês?” E, então, imitando caricaturalmente um nordestino falando, continuou: “Oxênte, fale direito, meu homi. Num intendu não”. Bom, essa pessoa, aparentemente, tinha passado um ano morando na Espanha. Mas, provavelmente, nunca pisou em uma praia do Nordeste, onde todos os meses, milhares de turistas de todo o mundo chegam e são muitíssimo bem recebidos e, na maioria das vezes, se comunicam muito bem até no tal inglês.

Uma cena dessas… será que só no Brasil?

Depois do “imagina na Copa”

Até a cerveja Brahma já tratou com a devida ironia as previsões catastróficas dos cidadãos de baixa auto-estima que adoram usar a expressão “imagina na Copa”.

Há alguns dias, eu ouvi uma nova expressão. Tão carregada de preconceito quanto a primeira, aliás. Depois de ter ouvido o famoso “imagina na Copa” e ter argumentado com o quanto eu penso que não vai ser o caos que minha interlocutora imagina, ouvi: “É, pode ser. Já teve Copa até na África”.

Como eu já expliquei aqui, em algum lugar, minha tolerância anda bem baixa. Houve tempo que eu pensaria comigo: “a ignorância é feliz”. E simplesmente não continuaria mais o assunto. Mas, minha intolerância não permite mais.

Então, para contribuir em evitar que a frase “já teve Copa até na África” se torne o próximo bordão dos idiotas, resolvi explicar: “Alguém aqui já esteve na África?” – eu estava em um salão de beleza, que ficou silêncio puro com minha pergunta. “Bom, acho que não. Se tivessem estado saberiam que não há elefantes e macacos pulando entre as casas nas ruas da África. Aliás, Joanesburgo, na África do Sul, uma das cidades que recebeu jogos da Copa de 2010, pode muito bem ser confundida com São Paulo, tamanho o volume de arranha-céus, trânsito intenso, homens engravatados e indústrias. É uma cidade bem maior do que essa aqui onde estamos (Brasília), com muito mais cara de metrópole”.

O silêncio continuava, o que empolgou que meu discurso também: “Alguém aqui já esteve em alguma Copa do Mundo ou Olimpíada?” … “Se tivessem ido para as Olimpíadas de Londres, ano passado, por exemplo, teriam experimentado diversos problemas no metrô da cidade e no aeroporto, como puderam observar os mais atentos. Ah, mas o metrô de Londres ter problemas é chique, né?” Gente com visão restrita do mundo e falta de amor próprio… eu não aguento!

Vista aérea de Joanesburgo

Joanesburgo, a cidade da África do Sul onde “já teve até Copa”

Saiba mais sobre a Copa de 2010 na África do Sul, lendo os textos do ElefanteNews, aqui.


placa Cabo da Boa Esperança

Digite seu endereço de e-mail para acompanhar esse blog e receber notificações de novos posts por e-mail.

Junte-se a 175 outros seguidores

outubro 2019
S T Q Q S S D
« nov    
 123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
28293031  

Tudo que já aguentamos por aqui

Sobre o que aguentamos