Posts Tagged 'espera em aeroporto'

Informação inútil

As pessoas deveriam ter mais cuidado com o que fazem com concessões públicas. Ter uma concessão de uma rádio, por exemplo, com o objetivo de informar, mas desperdiçar o tempo do ouvinte com baboseira deveria ser motivo de cassação da concessão. Ah, não pode…. tem a dita liberdade de expressão. Como se expressar abobrinha usando um espectro público fosse um direito.

Enfim, isso é assunto para outro post. O de hoje vai falar sobre uma prática que as emissoras de rádio adotaram agora. Desde que criou o caos aéreo, a mídia tem que alimentar essa lenda urbana e uma forma que ela encontrou é dar o boletim dos voos cancelados, atrasados e no horário. Algo tão útil quanto o boletim da bolsa de valores no jornal da TV no fim do dia, em um mundo de informação em tempo real. Praticamente toda semana vou ao aeroporto voar ou levar alguém que vai voar ou buscar alguém que vem voando. Por vício, ainda ouço essas rádios comerciais ditas de informação. (Mas já estou trabalhando na terapia para ouvir só música.) Quase sempre coincide de ouvir o tal boletim dos voos quando estou indo para o aeroporto. Diz algo mais ou menos assim: “Hoje decolaram x voos do aeroporto Juscelino Kubitscheck, y voos estão atrasados e z foram cancelados”.

Nunca, nunca, nunca em todas essas viagens que me cercam, o tal boletim foi útil. Eu ouço e fico me perguntando: o voo que me interessa está painel online infraeroentre os atrasados, os cancelados ou os decolados? Não se fala nem de qual região, para qual região. Poderia ser: os voos vindos de São Paulo estão atrasados. Nada. Diz x voos atrasados. Quais? Quanto tempo? Nada… Informação absolutamente inútil, que acaba por nem ser informação na verdade. Qual o objetivo? Ocupar o tempo? Preencher 24 horas de programação não deve ser fácil mesmo. Mas conta piada, que é mais útil. Pelo menos, desestressa. Porque falar que tem voo atrasado, voo cancelado, voo saindo, voo chegando, assim, sem mais detalhe, serve apenas para alimentar a sensação de que é necessário falar de quantos voos deram errado, porque são muitos. Mas, normalmente, nem são. É o tipo de coisa que só alimenta a ansiedade do cidadão e não presta serviço nenhum.

Gente que não sabe para que serve seu próprio trabalho, eu não aguento!

Eu não aguento a sua música

O problema não é o estilo da música que a pessoa ouve, afinal, tem gosto para tudo. O problema é a falta de respeito com o espaço público. Agora, por exemplo, estou no aeroporto de Brasília, que está com as salas de embarque lotadas, porque parece que Rio de Janeiro e Curitiba estão fechados devido ao clima. Então, um indivíduo sentado umas três fileiras distante da minha resolveu que todos temos que ouvir a música que ele gosta. E está lá com seu celular tocando música sem fone de ouvido.

Já vivenciei situações como esta várias vezes e em vários locais públicos, como metrô, ônibus e salas de espera. Fico sempre impressionada com a incapacidade das pessoas em respeitar o outro. Eu, por exemplo, estou aqui no meu computador desabafando sobre a atitude inconveniente do indivíduo logo ali, mas poderia estar ocupando meu tempo em alguma leitura, escrevendo um trabalho para a faculdade ou qualquer outro tipo de documento. Mas como é que eu iria me concentrar com essa musiquinha besta no meu ouvido?

No caso, nem é música que eu goste. Mas, ainda que eu gostasse, eu teria que ter o direito de escolher quando ouvir.

Quando vivencio essas situações sempre fico pensando que a pessoa não consegue viver em sociedade, porque se considera único no espaço. Esse individualismo neoliberal que se apropriou de nossas culturas e acabou de vez com o respeito ao próximo.

Então, eu me vejo pensando se há alguma atitude a ser tomada: fazer o mesmo? Ligar o meu som individual tocando alguma música bem diferente daquela que o indivíduo está ouvindo, para, quem sabe, ver se ele se manca? Não, porque eu estaria me igualando a ele. Abordar a pessoa e tentar argumentar sobre o direito que eu tenho de não ouvir nada e até dar o exemplo de que se todos resolvêssemos fazer o mesmo que ele, o espaço se transformaria num caos? Duvido que este tipo de gente compreenda algo assim só com explicação teórica, sem um gráfico e um vídeo ilustrativo.

Acho que me resta esperar todos os dias que o destino colabore e coloque o menor número possível de seres humanos no meu caminho.


placa Cabo da Boa Esperança

Digite seu endereço de e-mail para acompanhar esse blog e receber notificações de novos posts por e-mail.

Junte-se aos outros seguidores de 175

novembro 2020
S T Q Q S S D
 1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
30  

Tudo que já aguentamos por aqui

Sobre o que aguentamos