Posts Tagged 'regulamentação da PEC das domésticas'

Por que é preciso acabar com o PT?

manchadoEnquanto leio “Os excluídos da história – operários, mulheres, prisioneiros“, de Michelle Perrot, editora Paz e Terra, compreendo muito claramente a construção histórica que leva à necessidade atual de dizimar o Partido dos Trabalhadores no Brasil. Uma construção que inicia com os motins de mulheres durante a Revolução Industrial, como em 1788, em Barneville, na França. Se dá também em Vienne, na França de 1819. No mesmo ano, segue em Limoux e em Carcassonne… A união daquelas mulheres fez com que elas percebessem que unidas podiam mais.

O PT é hoje um dos maiores partidos identitários da Classe Trabalhadora no mundo. Representa essa união que dá força para as conquistas. A existência de um partido como o PT eleva a autoestima do trabalhador e o estimula a exigir mais direitos. Ele está oprimido, na fábrica, no escritório, no banco, mas ele sabe que existe uma instituição que trabalha por ele, que tem em sua carta de formação, em seu estatuto, em seus objetivos, defender os direitos daquele trabalhador explorado no chamado chão de fábrica.

A empregada doméstica estava sendo escravizada na casa da patroa, mas ouvia no seu radinho de pilha notícias da Benedita da Silva, que também tinha sido empregada doméstica, e agora era política pelo PT e estava lutando por direitos para as empregadas domésticas. E lutou incansavelmente, até a aprovação da PEC das Domésticas, Proposta de Emenda Constitucional que garantiu aos empregados domésticos direitos trabalhistas que antes ficavam a critério dos patrões, como jornada de trabalho, férias, pagamento de 13o salário, folga semanal.

ranking políticos cassadosPor um motivo como este ninguém lembra do PT, não é mesmo? Mas lembram para falar da corrupção, de como o partido destruiu ao Brasil… O que me causa estranheza é que o foco seja o PT mesmo quando ele esteja em 9o lugar no ranking dos políticos cassados de 2000 a 2015, de acordo com dados do TSE. O DEM é o campeão, com 69 políticos cassados, seguido pelo PMDB (agora MDB), com 66, e pelo PSDB, com 58. Do PT, foram 10. Mas ninguém fala que é preciso acabar com o PSDB ou com qualquer outro.

O PT acabou com a Petrobras, diz o senso comum. Então, veja o gráfico abaixo, sobre os políticos que responderam a inquéritos por suspeita de corrupção na Petrobrás:

investigados em esquemas de propina

No primeiro ano do governo Lula, 2003, a Polícia Federal realizou 16 operações de combate à corrupção, já no ano seguinte, foram 42 operações. Em 2008, 273 operações para combater a corrupção, em todos os níveis de governo. Em 2010, foram 272 ações. No acumulado do governo do presidente Lula, a Polícia Federal realizou 1.060 operações de combate à corrupção. Em todos os oitos anos de governo Fernando Henrique Cardoso foram registradas 48 operações contra a corrupção pela Polícia Federal. Em discurso no Senado, a senadora Ângela Portela (PT-RR) observou que isso foi possível graças à decisão do presidente Lula de fortalecer a Polícia Federal: durante os mandatos de Lula foram contratados mais servidores para a Polícia Federal por meio de concurso público, além de o orçamento da instituição ter sido ampliado e terem sido adquiridos equipamentos de inteligência. “Também durante o governo Lula, a Justiça Federal passou de 100 varas no país para 513”, informou a senadora.

Mas a questão é que ter um partido como o PT, estimula o trabalhador no seu dia-a-dia a buscar mais direitos, faz com que ele se sinta representado, faz o jovem da periferia andar de cabeça erguida, encoraja o homem do campo a não aceitar um prato de comida em troca de trabalho suado de sol a sol. Por isso, era preciso acabar com o PT. Então, foi criada uma cortina de fumaça e apresentado um cenário absolutamente descolado da realidade dos fatos para as pessoas acreditarem que o PT era o grande mal do Brasil. Colaram a etiqueta da corrupção no partido que fortaleceu o combate à corrupção e que, numericamente, não tinha o maior número de corruptos nos esquemas existentes.

Não estou dizendo aqui que devemos passar a mão na cabeça das pessoas do PT que sucumbiram à corrupção. Ao contrário, devem ser exemplarmente punidas, por tudo que o PT representa, inclusive. Mas as instituições devem ser maiores que as pessoas. O dia que descobrirmos um homem que pratique desvios no Corpo de Bombeiros, não vamos fechar a instituição de maior confiabilidade da população, vamos punir este homem. O dia que houver um diretor que cometa irregularidades na Fiocruz, não vamos acabar com aquela que é uma instituição que há mais de um século promove saúde e desenvolvimento social. Da mesma forma, não podemos acabar com a instituição que garante a autoestima, a força para lutar e acreditar nos seus direitos e a certeza de representatividade da camada mais expressiva da população, que é o Partido dos Trabalhadores, por causa de alguns homens que não honraram tal instituição.

É justamente porque o PT dá voz e vez a quem nunca teve, porque o PT abriu a porta da senzala e permitiu que quem dela saísse sentasse na sala de estar da Casa Grande, que criaram a ideia de que é preciso acabar com o PT. Eles sabem que se não conseguirem – e não conseguirão! – a Senzala nunca mais vai voltar para “o seu lugar”.

Por tudo isso, eu não aguento ver gente com capacidade cognitiva preservada, caindo nessa conversa de que é preciso acabar com o PT. Quem diz isso, ou é muito ingênuo, ou faz parte da Casa Grande e está muito incomodado com os avanços sociais que os anos de governo PT nos garantiram.

Todos os direitos às domésticas!

trabalho domésticoPouco mais de um século desde o fim da escravidão, mulheres ainda realizam o trabalho que antes era das escravas, em condição análoga a das escravas. Já ouvi empregadas domésticas comentarem que “tal patroa é boa, ela me trata que nem gente”. O tom, de uma certa resignação em aceitar que não era gente de verdade, mas também de algum prazer em estar sendo tratada como algo que acreditava não ser, mas gostaria de ser.

A situação no Brasil é tão banal, que quando alguém viaja ao exterior e convive com a realidade doméstica local, em geral volta espantado: “Nos Estados Unidos não dá para se ter empregada todos os dias, cobram uma fortuna. E por hora!”; “Fulana vive na Europa sem empregada doméstica”. Como se o comum fosse ter alguém para limpar a latrina que você suja. Aqui é. Consequência da sociedade escravagista de antes, o Brasil é hoje o país com o maior número de empregados domésticos no mundo, segundo a Organização Internacional do Trabalho (OIT). Eram ao menos 7,2 milhões em 2010, de acordo com texto da revista Carta Capital, na ótima matéria Os serviçais do Brasil.

Para mim, é indicativo de falta de autosuficiência, algo extremamente arcaico, fora de moda. Mas aí é assunto para outro post… vamos ficar hoje no trabalho doméstico que existe e é fato no Brasil, goste eu ou não.

A famosa PEC das Domésticas é uma Proposta de Emenda Constitucional que garante aos empregados domésticos direitos trabalhistas que antes ficavam a critério dos patrões, como jornada de trabalho, férias, pagamento de 13o salário, folga semanal, etc. Ou seja, acaba com a esculhambação.

Tão logo foi aprovada, em março de 2013, a frase que tomou conta das conversas da classe-média-que-sofre foi: “Não vai dar mais para ter uma empregada desse jeito”. A tradução é: não dá mais para a família querer que uma só pessoa seja babá, faxineira e cozinheira, obrigando-a a chegar antes do café da manhã (e o preparar, claro), limpar a casa, preparar e servir almoço e jantar e só sair depois que a cozinha estiver arrumada; no meio de tudo isso, leva e busca as crianças na escola e cuida que façam os deveres. No sábado, como não tem que cuidar das crianças, fica tempo para ir ao mercado, cuidar do jardim e levar o cão pra tomar banho.

É… para ter alguém nesses termos vai ficar caro mesmo. Normalmente, a pessoa tem uma empregada que faz tudo isso e enche o peito para falar: “pago um salário mínimo para a minha empregada”, como se fosse grande coisa. Não é. Se os patrões que saem de casa e deixam tudo a cargo da empregada têm jornada de trabalho estabelecida, com pagamento de horas extras, FGTS, contribuição previdenciária ao Instituto Nacional do Seguro Social (INSS), além de benefícios, por que eles acham que ela merece menos? São trabalhadores na mesma. Merecem respeito e direitos iguais.

Errado estava até então, que a empregada fazia tudo isso e muitas vezes nem contava com o registro na carteira de trabalho, uma vez que a multa para quem não registra empregada doméstica passou a vigorar só em agosto de 2014. Isso mesmo: quatro meses atrás!

Sabe quando a empregada doméstica “sai caro”? Quando fica “impossível de pagar uma empregada”? Quando o patrão a faz trabalhar além das medidas. Porque, afinal, se não tiver hora extra, o aumento do custo com a regulamentação da profissão não fica assim tão salgado. Primeiro, devemos ter em conta que o patrão já pagava o transporte e o INSS. Óbvio, né? Não, não é… Bem, vamos considerar então que ele passe a pagar cerca de R$ 90 a mais por mês de transporte e R$ 90 de INSS – se pagar à empregada o salário mínimo. O FGTS sobre um salário mínimo não chega a R$ 60 (8%). Ou seja, o acréscimo, com a lei seria apenas de R$ 60. Considerando que o patrão não pagava transporte nem INSS, passa a ser R$ 240. Podemos traduzir em R$ 8 por dia para tirar um ser humano de situação de exploração.

Matéria da Exame.com “alerta”: “Considerando que o empregado não faça horas extras, não receba adicional noturno, não seja demitido e seu salário base seja de mil reais, apenas com o novo custo do FGTS, o gasto mensal do empregador aumentará 6,64% [R$ 66,40 em mil reais de salário]. Se esse mesmo empregado fizer duas horas extras por dia, os custos aumentarão 40,28% e se essas horas extras forem realizadas em período com adicional noturno (das 22h às 5h) o aumento dos gastos será de 50,78%.” Ou seja, só vai ter que pagar 50% a mais quem quiser a mucama presente na hora de tomar seu leitinho quente antes de dormir…

Ah, mas agora até multa quando manda embora sem justa causa se tem que pagar!”, lamentam os cansados. Ora, pois… para não correr o risco de ficar pobre se te der na telha de mandar a empregada embora sem nenhuma razão, basta fazer uma pequena poupança de R$ 45 por mês. Assim, quando resolver demitir sem justa causa a empregada, já tem dinheiro para a “terrível” multa rescisória, além das férias proporcionais, um terço de férias proporcionais e o 13o proporcional.

Resolvi falar de tudo isso, porque a presidenta Dilma Rousseff vetou o projeto de lei que reduzia de 12% para 6% a alíquota do INSS que cabe aos patrões. A razão da presidenta é “contrariedade ao interesse público”, parece que por causar impacto negativo nas contas públicas. Pode até ser. Para mim, o bom dessa medida é não permitir a criação de categoria profissional de segunda classe. O reconhecimento da categoria como profissão aconteceu em 1972, com a lei 5.859. Mesmo assim, mais de quatro décadas se passaram e as domésticas ainda não têm os mesmos direitos dos demais trabalhadoresNão vejo razão para o empregador doméstico ter menos deveres que qualquer outro.

Gente que adora clamar por justiça!, mas dentro de casa é um grande carrasco, eu não aguento!


placa Cabo da Boa Esperança

Digite seu endereço de e-mail para acompanhar esse blog e receber notificações de novos posts por e-mail.

Junte-se a 175 outros seguidores

novembro 2018
S T Q Q S S D
« set    
 1234
567891011
12131415161718
19202122232425
2627282930  

Tudo que já aguentamos por aqui

Sobre o que aguentamos