Posts Tagged 'jornalista'

O mal do país pode não estar onde você pensa…

Se tem coisa que eu não aguento, é ser massa de manobra. Esse negócio de me contarem uma história e já me darem a conclusão, já apontarem quem é o mocinho e quem é o bandido… fico desconfiada. Gosto de fazer meu cérebro trabalhar e descobrir minhas próprias conclusões. Jornalistas, me dêem informação, a interpretação é minha!

Assim, das revistas semanais do Brasil, eu leio apenas a Carta Capital e gosto especialmente dos textos do jornalista André Barrocal, de quem sou fã e ainda tenho o privilégio de ser amiga. Ele faz exatamente isso. Seu texto não me diz o que eu devo pensar ou usa subterfúgios para me fazer chegar às suas conclusões. Ele informa, eu reflito, eu concluo.

capa cartaNa revista dessa semana, a Carta Capital deu mais um show com a matéria de capa Devo, não nego – o rombo de 30 bilhões de reais no orçamento poderia ser coberto pela caça à sonegação. Ao longo da leitura, confirmei algumas suspeitas, concluí coisas novas e encontrei dados importantes para minha compreensão de vários acontecimentos. Talvez algumas conclusões nem fossem esperadas pelo pessoal da revista, talvez eles tivessem outra expectativa, podem ser até conclusões óbvias demais para quem está entranhado nas informações como eles e pode haver outras que eu nem percebi. Mas foi a minha leitura. E divido aqui com vocês, por achar que as informações que constam ali são realmente preciosas.

A matéria trata do rombo no orçamento da União, que poderia ser coberto se os sonegadores fossem obrigados a pagar o que devem. Até dezembro, a Dívida Ativa da União deve ultrapassar 1,5 trilhão de reais, entre impostos, taxas em geral, contribuições à Previdência Social, multas ambientais, entre outras. E não pensem vocês que estamos falando de dívidas dos pequenos comerciantes, de microempresários, dos jovens empreendedores que podem se embananar na contabilidade. “Os maiores caloteiros são companhias poderosas”, observa a matéria. Os setores campeões de pendências tributárias são a indústria de transformação, o comércio, os bancos, os produtores de alimentos e bebidas, as empreiteiras e as instituições de ensino. E mais: “Os grandes grupos econômicos são os principais ocultadores de patrimônio”. Patrimônio esse que seria executado para fins da recuperação do dinheiro não pago quando a empresa perdesse a causa na justiça. São “contribuintes dispostos a ganhar a vida à custa da sociedade”. A matéria mostra ainda que as empresas tem um verdadeiro “planejamento tributário institucionalizado” que visa, justamente, evitar – ou pelo menos postergar ao máximo – o pagamento do que devem ao Estado. Ou seja, mesmo devendo, eles não pagam, são cobrados administrativamente, continuam não pagando, são cobrados judicialmente e aí deitam em berço esplêndido. Conclusão: no rombo das contas públicas, temos um primeiro culpado – as empresas.

As empresas deitam em berço esplêndido enquanto os juízes sentam nos processos, com seus longos dias de férias, licenças, recessos e sem prazo para apresentar o trabalho. Os processos se arrastam. Dos 100 milhões de processos, 70% jamais foram objeto de julgamento. O mais bizarro: quem entra na lista da Dívida Ativa é proibido de participar de licitações, assinar contratos com o poder público e tomar empréstimo oficial. Mas a proibição acaba no momento em que se inicia o processo judicial. Nesse ritmo, de 2008 pra cá, apenas 1,3% do total da dívida foi recuperado. Conclusão: no rombo das contas públicas, temos um segundo culpado – o judiciário.

Mas não tem lei nesse país? Ah, tem sim. “Uma série de leis ultrapassadas e incapazes de produzir sentenças rápidas”, como escreve Barrocal. O advogado tributarista, Heleno Torres, ouvido pela revista, afirma que “a lei brasileira é muito ruim. Não existe nada parecido no mundo”. Conclusão: o Legislativo, que faz as leis, também é culpado.

Não podemos esquecer que os membros do Legislativo (senadores, deputados federais e estaduais e vereadores) têm suas campanhas eleitorais financiadas por grandes empresas ou grupos econômicos. Daí, juntando uma coisa com a outra e com outra que nem está no texto, mas é assunto do momento, dá pra entender por que discutir o financiamento empresarial de campanha é tão importante.

Como escreveu André Barrocal: “No Brasil, sempre foi mais fácil arrancar o couro da tigrada”.

Anúncios

Uma aula do Flosi na internet

Quando meu pai, o jornalista Edson Flosi, começou a lecionar, eu já havia me formado. Portanto, não tive aulas com ele. Pelo menos não em sala de aula. É bem verdade que quem teve nos primeiros anos sempre tem algumas ressalvas a fazer, como pudemos ler no Facebook, nos dias que seguiram ao seu falecimento. De fato, nas conversas em casa percebíamos, pelos relatos dele sobre as aulas, que ainda faltava o traquejo necessário. Mas uma coisa era certa: desde sempre ele adorou ensinar, transmitir conhecimento, dividir o que sabia. E os alunos, mesmo aqueles dos primeiros anos, percebiam isso e valorizavam sua capacidade de doação.

Os anos passaram, ele aperfeiçoou os métodos, flexibilizou as regras e as aulas tornaram-se memoráveis. Assim, as histórias ganharam as páginas das redes sociais na internet e hoje há pessoas que, mesmo sem nunca terem visto o Flosi pessoalmente, são capazes de narrar passagens de suas aulas que se tornaram clássicas, como os exemplos de injúria, calúnia e difamação ou a diferença entre sequestro e rapto.

Em 2012, o jornalista Sérgio Gomes, diretor da Oboré, juntou duas gerações da família em uma entrevista: o genro Eduardo Castro entrevistou Edson Flosi no Centro de Imprensa/Redação Escola da Oboré.

Agora, os vídeos da entrevista estão disponibilizados na internet e todos podem assistir a mais esta aula do Flosi. Ele mostra, por exemplo, o valor que há em apreendermos o sentido exato de cada palavra e pensarmos nele quando falamos ou escrevemos. Edson Flosi ensina que sensacionalismo não é o problema do jornalismo. O problema é quando se trata com sensacionalismo casos que não são sensacionais. “O sensacionalismo no caso do PC Farias foi grande, mas é que o caso foi sensacional”, afirmou na entrevista.

Quantos já tinham pensado em que há situações onde o sensacionalismo cabe? Situações sensacionais, por óbvio. Mas o óbvio tem sido mesmo difícil de ser reconhecido pelos jornalistas hoje em dia.

Na entrevista, Flosi conta casos que só o genro poderia arrancar dele, por conhecer os bastidores de suas reportagens, contados à mesa de jantar ao longo de 20 anos. Uma entrevista leve e saborosa, como sempre foram nossas conversas em volta da mesa de jantar.

10 anos do Bolsa Família: é muito?

Há uma semana, no dia 5 de maio, O Globo publicou a matéria: Bolsa Família completa 10 anos e já chega à segunda geração. O tom dado pelo “já” no título é de que o programa está atendendo, em alguns casos, à segunda geração de uma mesma família e a necessidade do programa continua. Como se isso fosse uma coisa feia, como se em uma década se devesse ter resolvido cinco séculos de geração de desigualdade social no país.

O Globo aponta especialistas que criticam o Bolsa Família por ser, na visão deles, pouco efetivo na emancipação de seus beneficiados — que teriam dificuldade para se inserir no mercado de trabalho e deixar de depender do programa. Mas traz também a opinião de outros especialistas (sempre sem nomes), que ressaltam o papel importante do programa para aliviar a miséria em famílias extremamente vulneráveis, justamente as menos capazes de conseguir emprego formal, garantindo que ao menos as crianças tenham mínimo acesso a serviços de saúde e educação.

No resumo, a matéria é vazia, como quase toda matéria de jornalão e não contribui para nada. Mas, apesar do tom típico da elite do sudeste do Brasil, de preconceito contra as famílias do Norte, Nordeste e Centro-Oeste do país e do implícito “nós carregamos essas pessoas nas costas”, a própria reportagem afirma: “Estudos indicam que ele [o Bolsa Família] contribuiu para a redução da desigualdade e alívio da extrema pobreza na década passada. Entre 16% e 21% da queda da desigualdade são atribuídos ao Bolsa Família”.

Na verdade, isso é a única coisa que importa ser dita com relação a programas como o Bolsa Família. Qual a contribuição para a efetivação da equidade social? Não se pode querer que a solução para um problema cultivado por 500 anos se dê no atendimento a uma geração. Graças à história de opressão e exploração do homem pelo homem no Brasil, o Bolsa Família teve que chegar à segunda geração e, provavelmente, chegará à terceira e à quarta. Mas se, em 50 anos, a redução da desigualdade tiver sido significativa, teremos um número inexpressivo de pessoas vivendo na miséria e poderemos dizer que o programa atenderá apenas a um público residual.

Quem não conhece o programa a fundo, não sabe que há uma série de condicionalidades para se manter inscrito. Não sabe também que todos os meses muitas pessoas são retiradas do programa por terem sido inscritas indevidamente ou por deixarem de atender às condicionalidades.

Em outro texto, do jornalista Elio Gaspari, na Folha de S. Paulo deste domingo, 12 de maio, intitulado Brava gente, a brasileira, a informação sobre os 10 anos do Bolsa Família é complementada com o dado de que, no período, 1,69 milhão de famílias dispensaram espontaneamente o benefício. Ou seja, de cada 100 famílias beneficiadas, 12 foram até a prefeitura e afirmaram não precisar mais. Informação que arrepia a elite, incapaz de se imaginar fazendo uma coisa dessas: deixar espontaneamente de receber um benefício.

O dado nos faz perceber que as pessoas que recebem o Bolsa Família não vêem nele sua muleta de vida, como muito se preconiza por aí. Elas, em sua maioria, conseguem perceber no benefício um apoio para, justamente, não precisar mais dele.

Vale ressaltar também que, em boa parte desta década de existência do Bolsa Família, foram descobertas milhares de pessoas miseráveis que sequer existiam em termos estatísticos no Brasil. Pode parecer bizarro, mas é fato: o número de pessoas miseráveis aumentou graças à busca ativa que faz identificação dos cidadãos que não possuem documentação e, portanto, não são considerados nas pesquisas de perfil populacional.

Encerrar esta missão é um dos principais focos do governo federal hoje. No site do Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome (MDS), encontramos a informação sobre o Plano Brasil sem Miséria: Um dos grandes desafios do Brasil Sem Miséria é alcançar aqueles que não acessam os serviços públicos e vivem fora de qualquer rede de proteção social.

Quando o Brasil tiver concluído a busca ativa de miseráveis, vamos ter a dimensão exata de nossas necessidades. E então, poderemos avaliar de quantas décadas vamos precisar para programas como o Bolsa Família fazerem um atendimento apenas residual, de um número insignificante de cidadãos que caem em situação de vulnerabilidade por questões pontuais.

Enquanto isso, temos que ter em mente a dimensão continental de nosso país, o número de habitantes (quase 200 milhões) e nossa história de séculos de exploração – onde uma parcela da população vem se aproveitando da produtividade e capacidade laboral dos outros.

Infelizmente, boa parte das pessoas não consegue ter uma visão tão ampla de seu próprio país. E esse tipo de gente, eu não aguento.

A tradição da São Silvestre

Eu ia ficar uns dias sem aparecer, porque estou de férias, mas não tem jeito, as coisas que eu não aguento insistem em cruzar meu caminho, em terra e no ar. Será rabugice dos ‘enta? Não, já me apresso em responder. São os humanos mesmo. Estes seres que fazem do mundo um lugar a cada dia pior.
Pois bem, entrei eu no avião e, com toda a boa vontade, abri uma revista que estava disponível: Brasil – almanaque de cultura popular – edição 165, de janeiro de 2013. Em verdade, eu tenho evitado muitas publicações periódicas ultimamente, porque não aguento esse lance de jornalismo que, quando não é mal feito, é canalha.
Explico: raramente as notícias publicadas nos ditos veículos tradicionais de comunicação contam com informação correta e não distorcida. Fico sempre na dúvida se isso acontece porque o autor do texto é burro, não sabe trabalhar, apurar bem uma informação, responder a todas as perguntas básicas (quem, como, quando, onde e por quê) que um texto informativo deve conter, ou se é canalhice e o jornalista usa um espaço informativo para manipular a informação e difundir seus ideais próprios, defender sua patota.
Por não ser a referida revista (ou almanaque, como queiram), um desses veículos tradicionais, resolvi dar um crédito e abri. Eis que logo na página 9 tem matéria sobre o primeiro vencedor da São Silvestre (Alfredo Gomes) ser um camarada que subia a pé a Serra do Mar, por trabalhar na companhia telefônica e ser responsável por verificar as linhas de transmissão da região.
A coisa até estava indo bem, não fosse pela falta de uma informação que se faz relevante para as pessoas compreenderem com quem estão se metendo. A matéria relata que a corrida de São Silvestre foi criada por Cásper Líbero, em 1925, e que a prova tinha início no fim da noite, com o vencedor cruzando a linha de chegada, normalmente, após a meia-noite. A matéria conta que isso só mudaria em 1988.
Ou seja, durante 62 anos a corrida manteve a característica original, acontecia à noite e terminava perto da virada do ano, conforme desejara seu criador. Mas em 1988 tudo mudou, passou a ser disputada à tarde, como consta na matéria.
O que falta no texto é o motivo. Por que passou a ser transmitida à tarde? Não cabia uma linhazinha explicando que foi por interesses comerciais da Rede Globo, que passou a transmitir a prova? Explicando que a Globo estragou o que era tradicional, mas não valorizado por ela, por não ter sido inventado por ela? Por que não permitir que seus leitores saibam que uma prova foi complemtamente desvirtuada em sua tradição porque a Globo não preserva a cultura, não respeita as tradições?
Mais uma vez a dúvida me atormenta: seria o responsável pelo texto alguém que apenas ignora os fatos e por isso não os narra ou há uma má vontade voluntária por trás de tal omissão? Mais uma vez, essas coisas que eu não aguento cruzam meu caminho.


placa Cabo da Boa Esperança

Digite seu endereço de e-mail para acompanhar esse blog e receber notificações de novos posts por e-mail.

Junte-se a 173 outros seguidores

dezembro 2017
S T Q Q S S D
« nov    
 123
45678910
11121314151617
18192021222324
25262728293031

Tudo que já aguentamos por aqui

Sobre o que aguentamos