Posts Tagged 'gente mal educada'

Leitora flagra carro estacionado na faixa de pedestres

Vamos dar uma pausa nas descobertas cubanas, para tratar de um assunto presente no cotidiano de quem vive em Brasília: falta de civismo no trânsito.

Conforme está divulgado aqui em Você aguenta?, as pessoas que também não aguentam alguma coisa e se identificam com o blog, podem participar, enviando seu texto pelo e-mail quem.aguenta.blog@gmail.com

Hoje recebemos a colaboração (quase um desabafo) da Ana Clara, moradora da Asa Norte e que faz questão de sempre atravessar na faixa de pedestres. Mas, nem sempre o caminho está livre…

Com a palavra, a Ana:

“Paulistana, recém moradora de Brasília, mais especificamente da Asa Norte, não me conformo com a impunidade da capital federal do país e com a falta de respeito às leis e de bom senso de parte de seus moradores. Vindo de São Paulo, onde, apesar de seu diário caos metropolitano, as leis são melhor fiscalizadas e consequentemente melhor seguidas que aqui, 4 vezes menor e que deveria dar exemplo ao restante do país.

Hoje, 02/12/2013, não aguentei e resolvi denunciar ao ver um carro Fiat 500 placa JIV 7871 estacionado EM CIMA DA FAIXA DA FAIXA DE PEDESTRES NA SCLRN 714/715.
Passei na rua – atravessando na faixa de pedestres, claro – às 9:45 e ali estava o carro estacionado em cima da faixa de pedestres. Resolvi deixar um bilhete ao proprietário sem qualquer noção de respeito às leis básicas de nosso Código Nacional de Trânsito.
Assim o fiz, porémAna Clara foto 2 às 13:15, quando ali passei novamente, o carro continuava estacionado em cima da faixa, quando tirei estas fotos. Liguei no Detran (154) para denunciar o caso. A atendente me disse que não era responsabilidade deles e que eu deveria contatar o Batalhão de Policiamento de Trânsito no 190. Assim o fiz, e o atendente me diz que Brasilia não tem tal batalhão e só registrou a ocorrência após muita insistência minha ao telefone, argumentando sobre o fim do serviço público daquele órgão. Disse que passaria a denuncia à “mesa do Detran na Polícia do DF” e me passou protocolo da denúncia.
No entanto, às 15:00 passo novamente no local (SCLRN 714/715) e o referido automóvel ali continua.
Ana Clara foto 4
Decidi escrever, pois acredito que devemos utilizar um pouco do nosso poder de sociedade civil para denunciar os absurdos da administração do DF e contribuir com uma cidade onde haja respeito às leis.”
Agradeço a contribuição da nossa leitora e me comprometo aqui a tratar mais vezes desse assunto que é realmente irritante em Brasília. Uma outra forma de desabafar nesses casos, é divulgar o assunto no site Multas Sociais, que também serve para desopilar o fígado nesses momentos em que a gente vê uma cena absurda como essa que dura quase um dia inteiro na Asa Norte, considerado bairro nobre de Brasília.
E você? Aguenta?

Só no Brasil

Se tem uma coisa que eu não aguento mesmo são as frases que começam com “Só no Brasil…” O que eu vejo nelas é que quem as profere ou nunca pisou além das nossas fronteiras ou, quando pisou, teve uma postura tão subalterna – durante séculos incutida em nossas mentes para que acreditemos que somos menos do que realmente somos – que não viu os problemas dos outros.

Acho que as pessoas ficam cegas pelo deslumbramento de viajar quando saem do Brasil. Afinal, não é possível que só eu veja cocô de cachorro (um problema sem dúvida causado pelos seres humanos que lá habitam) a cada 20 metros nas ruas de Paris. Também não é possível que uma pessoa mais atenta passe uma viagem toda pela Europa sem ver um europeu furando fila. Fiquei menos de 10 dias por lá recentemente e vi por duas vezes europeus (pela forma de falar deveriam ser franceses ou belgas) furando fila descaradamente, do jeitinho que os ignorantes dizem que só acontece no Brasil. Ignorante aqui não leva nenhum caráter de ofença. É apenas a constatação de que as pessoas ignoram algo, não tem conhecimento de como funciona em outros lugares, por isso, insistem no “Só no Brasil…”

Ah, também vi nativos europeus jogando papel no chão. Tudo bem que em alguns locais da Europa há a desculpa de que não existem cestos de lixo nas ruas, especialmente em Londres. Mas, para mim, nada justifica jogar lixo na rua. Também vi o metrô vandalizado, assim como esculturas recém implantadas na cidade de Paris, já com pichação. E em um café em Londres, o cartaz na parede avisa: não deixe suas bolsas e demais pertences nas mesas enquanto escolhe sua comida no balcão, porque não nos responsabilizamos por possíveis furtos. Igualzinho acontece nos “quilos” no Brasil. Igualzinho acontece onde há seres humanos. A diferença é que aqui as pessoas comentam: “Só no Brasil precisa de um aviso desses… onde tem brasileiro tem dessas coisas…”

Nem vou entrar aqui no detalhe da falta de acessibilidade, porque isso merece um texto inteiro dedicado. Escada rolante nos metrôs de Paris é raridade. Elevador então, nem sei se tem. Não lembro de ter visto. Cadeiras de rodas são feitas para ficar dentro das casas por lá. Até porque, a maioria dos edifícios, de poucos andares, também não conta com elevadores. Ou seja, quando reclamamos da nossa acessibilidade aqui, jamais podemos dizer que deveria ser como na Europa. Se fizermos isso, vamos querer regredir.

Não acho que por haver coisas ruins em todos os lugares a gente deva se conformar com o que tem. Acho sim que devemos cobrar melhores condições para os cidadãos, exigir viver em cidades limpas, com urbanismo planejado e muita organização. Só que o tom da cobrança tem que ser outro. Não pode ser “quero que mude, para ficar igual ali”, porque ali, em geral, é igual aqui. Devemos exigir: quero que mude, porque sou cidadão e mereço um espaço melhor, bem cuidado, limpo, organizado, como tem que ser.

Mas, acima de tudo, penso que o ser humano tem que se conformar que, muitas vezes, ele é o problema. Não é o brasileiro que faz tudo errado e desrespeita o próximo. Isso é uma prática da espécie. Ou ela se emenda, ou o planeta, em qualquer país, vai ser cada vez menos suportável.

Tão insuportável quanto foi o fim do voo da volta. O avião aterrissou e, passados alguns minutos, a porta não abria. Então, o piloto informou que teria que locomover a aeronave um pouco, porque tinha sido mal posicionada e não estava se ligando à manga do aeroporto (manga é como se referem os portugueses da TAP ao corredor que liga a aeronave à sala de desembarque). Menos de 30 segundos e o camarada de trás: “Só no Brasil”. ?!?!?! A vontade de soltar um palavrão bateu na boca e voltou.

Mais um minuto e o mesmo gênio: “Quero ver na Copa”. ?!?!?!?! Então, o ignorante (de novo sem ofença) ao lado dele comenta: “Na Copa vai ser uma vergonha. Imagine que aqui ninguém fala inglês. Como os turistas vão se comunicar? Na Europa não tem um lugar que você chegue e não consiga se comunicar em inglês. Você chega falando em inglês e todo mundo de qualquer país responde”. Esse foi o momento que eu constatei que, para ele, Paris não fica em um país da Europa. Afinal, vai lá o gênio do avião tentar chegar falando inglês com um parisiense para ver como vai ser bem recebido. No momento seguinte, o mesmo jovem deslumbrado começou a destilar seu preconceito: “Imagine um turista chegando em uma cidade do Nordeste e tentando falar inglês?” E, então, imitando caricaturalmente um nordestino falando, continuou: “Oxênte, fale direito, meu homi. Num intendu não”. Bom, essa pessoa, aparentemente, tinha passado um ano morando na Espanha. Mas, provavelmente, nunca pisou em uma praia do Nordeste, onde todos os meses, milhares de turistas de todo o mundo chegam e são muitíssimo bem recebidos e, na maioria das vezes, se comunicam muito bem até no tal inglês.

Uma cena dessas… será que só no Brasil?

Tá difícil

Ir ao cinema em Brasília está realmente difícil.

Em 15 de fevereiro, escrevi o texto Programa errado, contando meus dissabores em uma ida ao cinema, mesmo depois de ter escolhido hora e local a dedo para evitar os mal educados. Mas eles estão por toda parte e estavam lá.

Fiquei um bom tempo sem ir ao cinema.

No último mês, fui duas vezes. Em duas sessões não muito cheias, de documentários, nada blockbusters, que costumam atrair todo tipo de gente. Minha expectativa era encontrar uma plateia pequena e selecionada. Era pequena. E selecionada entre os piores tipos do mercado.

Segui o conselho que meu amigo David deu no primeiro post que escrevi reclamando do falatório no cinema: “Nada que um retumbante ‘shhhh’ não resolva!” Pois devo dizer que os retumbantes shhh não resolveram nada.

No primeiro filme, o camarada que falava, quando ouviu o shhh, soltou uma larga risada e continuou a falação. No segundo, as três mulheres que conversavam como se estivessem tomando chá no sofá de casa, nem perceberam, continuaram o papo naturalmente, sem esboçar qualquer reação.

Fico na dúvida se é um fenômeno da atualidade, que tem se dado em todo lugar, ou se é característica de Brasília.

O fato é que já não aguento mais ir ao cinema por aqui. Será que conseguirei ir em outros lugares?

Programa errado

Resolvi ir ao cinema na Quarta-Feira de Cinzas. Peguei a sessão das 13h, de O lado bom da vida. Minha expectativa era encontrar o menor número de pessoas possível. Ultimamente, as salas de cinema até tentam ajudar, exibindo vídeos de animação bem humorados com o objetivo civilizatório, onde avisam: desligue o celular, não converse durante a sessão, não balance a cadeira da frente com seus pés e outros. Mas, ainda assim, os seres humanos continuam não atendendo a todas as solicitações. Então, evitei pegar uma matinê de sábado no Pier 21, onde a frequência (adolescentes. Muitos deles.) por si só indica que qualquer filme a ser escolhido não será visto em paz. Fui ao cinema às 13h, da Quarta-Feira de Cinzas.

Minha expectativa de encontrar poucas pessoas se confirmou. Quando apagaram as luzes, olhei em volta e havia muito menos de 10 pessoas na sala. Alguns ainda chegaram já com as luzes apagadas, mas ainda antes do filme. Perdoados. E não passamos de 10 ao todo.

Mas vejam a minha sorte. Atrás de mim, logo atrás, nas cadeiras imediatamente depois da minha, sentaram duas moças faladeiras. Falar nos momentos antes do filme, durante propagandas e trailers, eu acho normal. Considero um momento de climatização.

O filme começou e a conversa não parou. Falavam de tudo. Comentavam cada cena. Comparavam os personagens que iam surgindo com pessoas conhecidas suas, sugeriam melhores enquadramentos para o diretor, comentavam a iluminação e, claro, falavam de coisas que nada tinham a ver com o filme, mas tinham vindo à mente naquele momento.

Esperei passar 15 minutos, como tolerância para que elas notassem que não estavam na sala de casa. A conversa continuou. Olhei para trás, como que procurando de onde vinha aquele som irritante. A conversa parou. Por não mais do que cinco minutos. Voltou na mesma intensidade, com a mesma animação e diversidade de temas.

Tentando me concentrar no filme, não pude evitar de pensar: são aquele tipo de gente que acha que seu eu mandar se calar, vou estar impedindo sua liberdade de expressão. São pessoas que não percebem que o direito delas termina quando começa o dos outros. Acham sempre que o delas ainda não parou de começar…

No meio do filme, como a sala estava bem vazia, abri mão do meu lugar estrategicamente escolhido antes de entrar na sala e fui três fileiras para frente, mais à direita, para sair da direção da conversa. Assim, o bate-papo se transformou em um cochicho distante e consegui prestar mais atenção ao filme.

Ao final da exibição, fui ao banheiro. Lá estavam as duas. Conversando animadamente. Uma lavando as mãos, a outra ainda dentro da cabine. Mas a conversa fluía naturalmente. Então, tive a certeza de que tinham escolhido o programa errado. Deveriam ter ido a um café, onde poderiam simplesmente sentar e conversar, matar saudades, colocar fofocas em dia… e sem nenhum filme para atrapalhar.

Mas foram ao cinema e eu tive que aguentar.


placa Cabo da Boa Esperança

Digite seu endereço de e-mail para acompanhar esse blog e receber notificações de novos posts por e-mail.

Junte-se a 175 outros seguidores

dezembro 2018
S T Q Q S S D
« nov    
 12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930
31  

Tudo que já aguentamos por aqui

Sobre o que aguentamos